8 DECISÕES PARA TOMAR ANTES DE IR PARA AS MISSÕES

Precisamos ter muito cuidado para não julgar as três formas de ir aos campos missionários que mais se destacam na atualidade, as três maneiras são válidas e Deus tem respaldado e acompanhado as três situações. Ir ao campo pela igreja, ir ao campo pela agência ou ir ao campo por sua conta própria.

1. Podem ir para as Missões Igreja ou Agência

Biblicamente falando quem deveria enviar missionários são as igrejas competentes e que tenham experiências em gestão de enviar, mas quando as igrejas não atuam, Deus levantou as agências missionárias. Se nenhuma das duas fizer nada, Deus levanta os missionários particularmente, e faz avançar sua obra de maneira autônoma, independente e autossustentável.

As agências são Ministérios paraeclesiásticos. Mas o que significa essa palavra difícil de pronunciar paraeclesiásticos? São Ministérios que realizam atividades em paralelo ao Ministério eclesiástico.

Missionários vinculados às agências tendem a levar o Evangelho para outras culturas sem levar a igreja. Cito como exemplo os Ministérios evangelísticos como Young Life e a Cruzada Estudantil e Profissional para Cristo. O sucesso desses Ministérios deve-se, em grande parte, ao seu envolvimento com a cultura e seu amor pelas pessoas, numa área onde, a igreja se torna irrelevante. O Ministério Young Life está a 74 anos ajudando jovens em mais de 70 nações ao redor do mundo, onde eles brindam em seus acampamentos de finais de semana esperança e valores espirituais a um milhão de adolescentes.

https://www.younglife.org/es/pages/whoweare.aspx

Voltando no tema das agências missionárias, elas nasceram para colaborar com a tarefa de evangelização, elas se especializaram nas logísticas exclusivas de envios de missionários para o estrangeiro. Muitas delas são bem-sucedidas, pois trabalham em parcerias com as igrejas locais.

As igrejas locais que não se sentem à vontade para trabalhar com as agências poderiam criar suas agências missionárias e chamá-las de agências denominacionais em vez de meras secretarias de missões e canalizar toda sua movimentação missionária. As igrejas poderiam criar promotorias missionárias, termino este que se condiz bem nas atividades que realizam promover missões.

Há muitos anos atrás criei a PRONAMI – Promotoria Nacional de Missões. http://pronami.blogspot.com.br/como PRONAMI, venho trabalhando na conscientização missionária e na criação de conteúdo de missões. A PRONAMI é a promotoria de missões do meu Ministério chamado Mundo Missionário.

Os missionários que optarem ir aos campos pelas agências especializadas, poderiam ter boas experiências principalmente se agências tiverem uma boa base espiritual, uma sólida estrutura, e com estratégias adequadas de como ingressar nas 10 nações mais fechadas ao cristianismo: Coreia do Norte, Irã, Arábia Saudita, Somália, Maldivas, Afeganistão, Iêmen, Mauritânia, Laos e Uzbequistão.

2. Podem ir para as Missões por Conta Própria

Não estou ensinando os missionários a serem insubordinados, insubmissos ou rebeldes, na questão de ir ao campo missionário. A grande maioria deles vão ao campo pelas igrejas, tudo certinho, documentado como corresponde, mas por ações erradas de certas pessoas acabam ficando independente, como aconteceu comigo.

Se a sua opção for de ir ao campo independentemente, não tenha medo, por certo Deus há de confirmar esta atitude de coragem. Não será uma precipitação, leviandade nem imprudência da sua parte, apenas os outros a tomam assim, julgam assim e falam assim, mas da parte de Deus, ele toma como coragem, valentia e brio.

Existirão muitas opiniões que falarão que os missionários não deveriam ir por conta, mas que deverão esperar e não ser um apressado. Nenhum crente deveria opinar se pode ou não pode. Se não pode ir por autonomamente, como ficaria os que são abandonados nos campos e nem tem recursos para voltar? Aí pode ficar por conta do destino?

Ir por sua própria conta, é ir pela fé, crendo que Deus honrará as decisões tomadas, e abrirá as portas para a manutenção financeira. Saibam que Deus sempre honrou e sempre honrará, e abrirá as portas financeiras a estes servos. Missionários que se atreverem a obedecer a Deus e cumprir o seu chamado, indo pela fé, precisarão ter muita confiança em Deus e serem bastante corajosos, pois não é nada fácil ser um destemido. Pensando nos missionários que vivem pela fé, foi que nasceu o título deste livro Viver de Missões.

Fui enviado por uma grande igreja AD de SC, através de uma organização paraeclesiástica que enviava missionários, não éramos muitos, creio que apenas 18. Mas como eu tinha a chamada para ir ao Chile, tive que buscar quem me enviasse especificamente para este país. Eles tinham um estilo peculiar de levantar sustentos, pediam de púlpito que os irmãos que fossem tocados em seus corações para sustentar um missionário que se manifestassem.

Esta minha história, eu nunca tinha escrito antes, mas a verdade é que depois de quatro meses no Chile, tive que tomar uma decisão, a de ficar por minha própria conta. A conversa foi através de uma ligação telefônica internacional com o Pastor Presidente, a proposta dele telefonicamente naquele dia seria, enviar o dinheiro da passagem para que eu voltasse, ou se eu quisesse ficar no Chile seria por minha própria conta, tendo que conseguir meu sustento de outra maneira.

Voltar? Nem pensar! Era sinônimo de que não tinha chamada, assim que no quarto mês de vida em missão, já estava sozinho no Chile, vivendo pela fé. Opção oferecida, alternativa vivida.

Minha vida de Viver de Missões na prática, na raça e na coragem, começou a partir dos quatro meses no Chile e se prolongou por 15 anos, sim, 15 anos sem sustento, 15 anos sem salário, 15 anos sem apoio direto da igreja que me enviou. O mais incrível é que nenhuma outra igreja me descobriu por ali, estava na guerra e não foram ver-me. Passei necessidade e não me deram de comer. Tive frio e não me enviaram abrigo.

É provável que alguém depois de tanto tempo queira julgar-me, não conseguindo engolir estas frases que escrevo com lágrimas, e não estou escrevendo isso por que sou um revoltado, pois Deus me escondeu na palma da sua mão e não conheci essa amargura. (Isaías 49.2) “Ele fez de minha boca uma espada afiada, na sombra de sua mão ele me escondeu; ele me tornou uma flecha polida e escondeu-me na sua aljava.”

Faça uma pausa agora na leitura deste livro para ouvir o hino “Ainda Bem” da cantora Michelle Nascimento, basta digitar o título e o nome da contara no Youtube que encontrará o hino facilmente. Certamente Deus falará contigo nos próximos cinco minutos que dura à música. http://letras.mus.br/michelle-nascimento/2005396/

 

Mas, se não fosse assim, hoje não teria como escrever um livro ensinando meus estimados companheiros de milícia a Viver de Missões. Só Deus sabe quantos servos dele foram deixados em situações semelhantes à minha.

Em razão à falta de sustento, tive que aprender a Viver de Missões, e como na época não tinha uma segunda vocação, como agora tenho, sou jornalista, escritor e guia de turismo, aprendi no deserto e na prensa como Deus forja um missionário do seu agrado e o eleva a níveis de graça, unção e conquista. Essa atitude, essa decisão, essa coragem gerou em muitas experiências de sobrevivência. Vi de perto como Deus providenciava na hora “H” os alimentos, o vestuário e todas as demais coisas necessárias para o desdobramento da minha missão em campo.

Alguns missionários brasileiros que também missionaram no Chile acabaram regressando prematuramente por motivos de falta de apoio, alguns deles desistiram dos seus labores, perderam as forças, ficaram traumatizados e ficaram desmotivados. Se você se identificar com esta situação, tenho uma Palavra de Deus para você, a fim de fortalecer a tua fé. Se em algum momento não obtiver êxito e acontecer de cortarem teu salário, se esqueceram de ti, não se desanime, fique firme, tente outra vez, Deus é Deus de segundas oportunidades, creio que poderá recomeçar novamente.

Meu conselho, para quem tenha vivido algum abandono, acusações, más interpretações, não permita nenhum tipo de autocondenação, de sabotagem, de juízo na tua alma, os danos poderão ser reparados, emendados e medicados e assim a obra poderá ser reiniciada numa segunda oportunidade. Pensando nas autocondenações e sabotagens, foi um dos motivos pelos quais falei no primeiro capítulo que minhas respostas serviriam de alívio para a consciência de certos missionários, que sofreram e se debateram infringindo algum tipo de autocondenação.

Missionários sintam-se dignificados de viverem pela fé, atitudes assim estão anotadas no livro das Crônicas de Deus na eternidade. Mostrarei detalhadamente na página 203, onze benefícios de estar no campo vivendo pela fé.

  1. Podem ir para as Missões Sozinhos

Nenhum missionário consciente do seu chamado deverá aceitar ser enviado por tiragens, como um caminhão carregado de abóboras a granel. Cada pessoa chamada terá um lugar específico para ir e realizar a vontade de Deus. Algumas igrejas estão enviando missionários por tiragens, isto é, por grupos de 10 a 20 de uma só vez, e todos para um mesmo destino. Essas igrejas não estariam respeitando a chamada específica de cada indivíduo. Aquele que confessar ser chamado para a Europa não poderá ser enviado para a África, não dará certo.

Não aceitem serem enviados por tiragens, blocos, ou grupos como abacaxis a granel. Eles têm que optar por ir sozinhos, apenas levando sua família. Deus sempre colocará foco exclusivo no coração dos missionários, Deus sempre será específico no lugar que ele quer que o homem vá, mas os homens que enviam preferem onde lhes parecem mais convenientes.

4. Podem ir para as Missões Especificamente

As necessidades estão em todos os lugares, até mesmo naqueles lugares onde os missionários estão se preparando para ir além-fronteiras. Mas, para estas necessidades tão próximas, Deus ocupará a igreja local residente, cheias de obreiros, para realizar esta evangelização urbana, doméstica e local, enquanto o missionário transcultural será levado para longe.

Missionários devem ter uma chamada específica e exclusiva, principalmente para estarem em nações onde o Evangelho não tenha sido pregado e também em nações que precisam de um reavivamento, assim como no Chile.

Vejamos como as ordens no livro dos atos dos Apóstolos eram específicas, para Felipe, Ananias, Paulo e tantos outros. (Atos 8.26) “Um anjo do Senhor disse a Filipe: vá para o sul, para a estrada deserta que desce de Jerusalém a Gaza“. Para Felipe Deus falou especificamente, indicando que fosse evangelizar o funcionário da rainha da Etiópia, dando coordenadas geográficas exatas onde Felipe o encontraria. Deus não disse vai para o norte, escolhe um caminho mais perto e que não tenha tantas despesas.

Para Ananias Deus deu o endereço preciso o nome particular da pessoa que deveria buscar para que orasse por ele. Deus não disse que a rua se chamava esquerda, e o homem parece ser de tarso, tudo foi muito claro e específico. (Atos 9.11) “Vá à casa de Judas, na rua chamada Direita, e pergunte por um homem de tarso chamado Saulo. Ele está orando“.

Para o Apóstolo Paulo Deus mostrou um cidadão da Europa, o qual o chamava pedindo ajuda especificamente. Deus não disse para Paulo, para ficar em Jerusalém, evangelizando primeiro sua cidade e depois quando estivesse aposentado e se quisesse poderia ir para a Macedônia. (Atos 16.9) “Durante a noite Paulo teve uma visão, na qual um homem da Macedônia estava em pé e lhe suplicava: passe à Macedônia e ajude-nos“.

Nenhum missionário poderá sonhar com ir para um país, e sua missão for desviada para outra região, nem mesmo que seja apenas para fazer um estágio. Se um missionário realizará sua missão em algum país árabe, de nada lhe servirá fazer estágio no Chile para aprender o espanhol, será uma perda de tempo. Seria mais profícuo, frutífero e proficiente, buscar famílias árabes convertidas ao cristianismo para aprender com elas a cultura, o idioma e as formas de abordagem, do que aprender algo que não ocupará em sua incumbência a serviço do Reino.

5. Podem ir para as Missões Onde Será Mais Caro

As igrejas geralmente não têm o mesmo foco que os missionários, as igrejas têm preferências, os missionários têm foco. As igrejas preferem enviar sustento para o país chamado Cuba em vez do Chile. Cuba custaria aos cofres das igrejas apenas US$ 150 Dólares por mês a cada missionário, Chile custaria dez vezes mais esse valor, ou seja, US$ 1.500 Dólares, por isso as igrejas preferem onde é mais barato, atitude que refuto veementemente. O mundo todo precisa ser salvo, independentemente de quanto vai custar o salário daquele enviado.

Na matemática missionária não pode cogitar vantagens de ter 1 missionário onde é caro ou 10 missionários onde seja barato. Um missionário no Chile por US$ 1.500 Dólares, ou 10 missionários na ilha de Fidel Castro pelo mesmo dinheiro. Quem pensar assim não estaria fazendo missões, mas estaria fazendo economia. Não se podem fazer missões por economia, pois missões é resgate de pessoas do mundo controlado por satanás, tirando das garras dele as vidas de todas as classes sociais, custe o que custar.

Queridos missionários estejam preparados, caso vossas igrejas não tenham foco, não permitam que sua missão seja desviada por comodidades econômicas ou por tiragens, diante desta realidade seria melhor mudarem de igreja, mas nunca aceitar uma missão desta maneira torcida.

6. Podem ir para as Missões Plantar Igrejas

Um dos problemas mais sérios nas missões tem sido causado pelo denominacionalismo, mas o que significa essa palavra difícil de pronunciar, denominacionalismo? Significa levar a bandeira da denominação que o missionário representa. À única bandeira que eles deveriam carregar para os campos das missões é a bandeira do Evangelho da salvação, a bandeira da cruz e a bandeira de Jesus.

Paulo disse que devemos ser embaixadores de Cristo, um embaixador representa uma nação ou um reino, jamais uma denominação, e neste caso os missionários são embaixadores do Reino de Deus. (2 Coríntios 5.20) “Portanto, somos embaixadores de Cristo, como se Deus estivesse fazendo o seu apelo por nosso intermédio. Por amor a Cristo lhes suplicamos: reconciliem-se com Deus“.

Quando as igrejas insistirem que seus missionários levem as bandeiras de suas denominações, elas estarão querendo filiais e não discípulos. Levar letreiros, costumes, hierarquias, causa muitos conflitos nas missões, pois estariam fora dos padrões do novo testamento, quando não existiam templos nem letreiros. Estas exigências só atrapalham a evangelização, eles devem ganhar almas e não abrir filiais.

As Assembleias de Deus da missão brasileira no Chile tiveram que deixar de usar este nome: “Misión Brasileña“, pois os chilenos que não faziam parte da igreja relacionavam esse nome com coisas de ocultismo, tipo macumba, candomblé e outras coisas semelhantes que também chegaram ao Chile vindo do Brasil.

Os missionários poderiam somar forças em alguma igreja nativa que esteja precisando de ajuda, ou então iniciar uma obra com nome, governo e diretoria nativa, mantendo apenas vínculos fraternais com as igrejas coirmãs que tenham as mesmas afinidades.

7. Podem ir para as Missões sem Salário

Existem muitos missionários chamados para fazer missões, que quando pensam no seu futuro salário, vêm na sua mente muitas interrogações e cifrões. Quanto dinheiro vai ocupar? Quanto dinheiro vai precisar? De onde vai conseguir o dinheiro?

Alguns missionários são originários de pequenas igrejas, com poucos recursos e condições econômicas, para oferecer um salário digno, porém, quando existe amor, ainda que a igreja seja pequena, não afetaria aos missionários. O tamanho da igreja não importa, quando elas são abençoadas e comprometidas com a evangelização, Deus há de prover para aquele servo oriundo desta pequena igreja as suas necessidades.

Outros missionários são derivados de grandes igrejas, algumas delas entregam total cobertura para eles, mas existem aquelas que são indiferentes, para não dizer omissas, aos cuidados dos missionários, principalmente se eles forem aos campos por sua conta.

Existem igrejas que ficam aquém, apáticas e indolentes esquecendo por completo dos missionários, ou simplesmente evitam colocar a mão no arado do desbravamento, deixando eles à mercê da sorte, do destino e da fé. Ainda existem igrejas que estão economizando dinheiro, ou melhor, guardando dinheiro em vez de aplicar na obra missionária, atitudes assim fazem aumentar as cifras das pessoas no mundo que ainda não conhecem a Cristo.

Em 1990, milhares de igrejas colocavam dinheiro das missões nas cadernetas de poupança, com o fascínio de ver render juros. No mês de março de 1990 chegou ao topo de 84,32% ao mês, as igrejas em vez de bancar os missionários viraram bancarias. Deus desgostoso com as atitudes das igrejas no Brasil permitiu que essa dinheirada toda fosse bloqueada e confiscada pelo governo de Fernando Collor de Melo, lembram-se disso? Um episódio semelhante aconteceu na Argentina, à confiscação do governo recebeu o apelido de “curralito” o dinheiro de missões ficou encurralado e bloqueado, acabou também sendo ocupado pelo governo em turno.

Dinheiro de missões deveria ser chamado de semente, e sementes não foram criadas para serem guardadas em cofres ou cadernetas de poupança, mas lançada em boa terra, para que haja abundante colheita de vidas para Jesus.

Missionários que tem um temperamento extrovertido, falam do seu salário com o Pastor Presidente e colocam com facilidade seus pedidos sobre a mesa, argumentam as condições de serem enviados e escolhem a data do envio. Os mais introvertidos (como eu, na época) ficava até com medo de sugerir, de opinar ou de levantar uma indagação ao Pastor. Essa minha timidez me fez aceitar um salário que nem sabia quanto seria.

Seria sábio que os missionários conversassem claramente sobre as questões salariais com seus Pastores, e que por garantias fosse feito um compromisso em cartório, só assim se poupariam desgastes nos ânimos de ambos os lados, com isso eles trabalhariam seguro, sem se preocupar com as suas despesas. Mas caso não haja nenhum Pastor para oferecer suporte, siga em frente, tenha fé, não deixe de ir, creia que Deus levantará seu sustento

8. Podem ir para as Missões Sem Fobias

Não quero desestimular ninguém, ao contar a realidade, mas a verdade é que a cada ano voltam 7.650 missionários com as mais diferentes situações graves: doentes, contaminado por vírus, mortes de entes queridos, separações matrimoniais, não suportaram a clemência do clima, hostilidade com nativos, brigas com conterrâneos e ainda mais o abandono das igrejas.

Quem tem a culpa? Na maioria dos casos foi à igreja que começou a fracassar o cuidado integral dos missionários e terminaram abandonando este soldado de Cristo. Abandono nunca terá classificação de justo, de necessário e que não teve outra saída, sempre será cruel, ferino e traumático. A igreja é o único exército que abandona seus soldados feridos. A igreja é a única que envia soldados e eles mesmos arcam com as suas custas. (1 Coríntios 9.7) “Quem serve como soldado às suas próprias custas? Quem planta uma vinha e não come do seu fruto? Quem apascenta um rebanho e não bebe do seu leite?”

Comumente os abandonos ganham das igrejas um argumento, elas alegam que as entradas econômicas da igreja baixaram que estão trabalhando no vermelho. Porém nenhum Pastor que tenha boa administração e transparência diante de Deus e dos membros, jamais cometerá uma nódoa desta envergadura.

Quando dizem que as entradas econômicas baixaram, o primeiro que fazem é reduzir os “gastos” e nesse caso o “gasto” número um é o missionário, ele será a vítima do recorte ou do corte propriamente dito. Em alguns casos eles recebem as passagens para voltar, outros apenas a triste notícia da fatal irresponsabilidade. Nenhum missionário diante do abandono poderá desistir de ser aquilo que Deus chamou, pois Deus não o abandonará jamais. (Hebreus 6.10) “Deus não é injusto; ele não se esquecerá do trabalho de vocês e do amor que demonstraram por ele, pois ajudaram os santos e continuam a ajudá-los“.

Outras igrejas tratam de dividir as despesas deles com outras igrejas, para que fique menos carga para uma só igreja, mas isso só favorece apenas a igreja que divide, e não ao missionário. Não significa que aumentando o número das igrejas responsáveis pelo sustento deles, aumentará os salários.

Se já era difícil receber um depósito ao mês de uma só igreja, imagine agora as dificuldades que eles enfrentarão para receberem seus salários picados em dez depósitos independentes? Se alguma delas não enviar? Os missionários precisarão arranjar paciência para esperar vários depósitos, mas Deus estará com eles. São nestes momentos de angústias que os verdadeiros missionários mostram suas resiliências.

Como exemplo de resiliência, quero falar de um travesseiro que uso na minha cama, ele é feito de espuma da NASA. Esse tipo de espuma, sempre volta ao normal depois de suportar a pressão que faz o peso da cabeça. Todas as noites, quando coloco minha cabeça neste gostoso travesseiro o Espírito Santo fala comigo dizendo: Teófilo, você deve ser igual de resiliente, não poderás deixar de ser um sonhador mesmo que venham as pressões, as lutas, e as dificuldades.

(Provérbios 18.10) “O nome do Senhor é uma torre forte; os justos correm para ela e estão seguros.”

 

Comentários

Comentários

3 Comentários


  1. Pessoas que se precipitam em fazer Missões, se arrenpederam muito, por não haver pensado bem antes de iniciar sua Missão.

    Responder

  2. Muito boa esta matéria eu já fiz missão cultural aqui mesmo no Brasil para ministérios mas sempre por minha conta nunca ganhei nem uma cesta básica já construí igreja . Hoje tenho vontade de ir fazer missão no estado do Piauí pois tenho uma chamada para uma cidade chamada buriti dos Lopes se alguém vê esta matéria e quiser me ajudar a ir fazer a obra de Deus entre em contato comigo não tenho condições financeiras para ir por minha conta mas se alguém me ajudar irei atender o chamado de Deus obrigado a vc que ler Deus abençoe muito você e sua família também

    Responder

    1. Quero fazer missão se tiver alguém que possa e sinta de Deus ajudar a fazer a obra de Deus no estado do Piauí não tenho condições financeiras para fazer a obra sozinho . Mas quero atender o chamado do senhor Jesus Cristo já construí igreja trabalhei aqui no Goiás 13 anos

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *